A disciplina positiva na educação de Crianças felizes

No que diz respeito à criação, muitos pais colocam como meta repetir com seus filhos a educação que seus pais lhes deram (afirmando que deu certo). Acontece que as nossas crianças de agora não são como nós éramos, e isso merece uma reflexão.

Exigimos autonomia, esperamos que elas saibam se colocar nas situações e que gritem as suas vontades ao mundo; criamos a expectativa de que são capazes de gerir suas emoções e seus relacionamentos. 

Em contra partida, muitas vezes não proporcionamos espaços para elas. As enclausuramos em bolhas para que não se frustrem e para que possam viver em um mundo ideal - criado e controlado por nós, para elas - na ilusão de que isso é sinônimo de proteção.

Percebem como é contraditório? Queremos meninas e meninos livres, e não os ensinamos a buscar (e gerir) essa liberdade!

No caminho para o sucesso na educação dos filhos, poucas coisas são mais contraproducentes do que o autoritarismo, a superproteção e a exigência excessiva... As respostas a estratégias motivadoras, que fortalecem a autoestima e a motivação, são muito melhores.

A disciplina positiva vem ganhando espaço com a ideia de usar normas que orientem ao invés de normas que sufoquem e, frente a isso, percebemos o quanto o modelo autoritário tem perdido campo e ficado cada vez mais para trás. A autoridade, no entanto, precisa estar presente nesta relação.

Pontuar constantemente a necessidade do cumprimento das regras estabelecidas e, paralelamente, dos ganhos e das perdas resultantes de suas ações, é um fator importante desse processo.

Para que nossas crianças sejam felizes da maneira como planejamos, precisamos permitir que sejam livres... Liberdade para pensar, se expor, sentir – e também para assumir as consequências de tudo o que fazem ou deixam de fazer.

Talvez a frustração apareça durante o caminho, e isso também faz parte! Se queremos ajudá-los a crescer, precisamos em primeiro lugar ajudá-los a entender que para terem algo, é preciso que façam algo!  Limites são indispensáveis e ter cuidado com a forma de transmiti-los fará toda a diferença!

Educando para o bem!

Definição de educar: “do latim ex ducere, significa conduzir para fora, criar condições, preparar o terreno, cuidar para que o outro possa ser ele mesmo e, assim, construir a humanidade de que é portador como potência, como possibilidade. Dar-lhe instrumentos para sua busca contínua de ser ele próprio”. (Marcos Ferreira dos Santos)

Educar é uma nobre missão! Mesmo em meio a tantas mudanças, o objetivo de formar filhos para o mundo continua sendo uma unanimidade entre pais e educadores.

Faz todo o sentido, então, pensarmos sobre esse mundo para o qual estamos educando nossas crianças, não é?

Independente de quem você quer que seu filho seja, de quem você quer permitir que ele seja ou de como você pensa em conduzi-lo para isso, pensar em um pilar principal torna-se decisivo.

Existe uma forma de garantirmos que essas crianças cresçam com a certeza de que terão acesso a todas as possibilidades que lhes aguardam – e também àquelas que serão criadas por elas mesmas! Não é o aprendizado de línguas que garantirá isso, e nem as aulas de robótica ou programação.

Parece uma fórmula mágica e provavelmente seja: ensine (e vivencie) a bondade!

Precisamos mostrar a diferença entre o que é ter sucesso e o que é alcançar o SEU verdadeiro sucesso.

Estamos nos perdendo em comparações vazias e sem sentido, em competições que não nos levarão a lugar nenhum... É preciso ajustar o foco, aprender - e ensinar - a viver. É preciso se permitir sentir. É preciso se encantar com a possibilidade de mudar o mundo e entender que essa mudança deve começar dentro de casa!

Pais, mães e educadores, não se cobrem tanto! Ao quererem a perfeição, ou acharem que têm a responsabilidade de oferecer tudo para essas crianças, correm o risco de não oferecerem nada, ou pelo menos de não oferecerem o essencial... A missão é mais fácil do que parece: esteja presente e eduque para o bem. Com essas ferramentas, a sua criança terá tudo o que precisa para seguir em frente e conquistar o seu próprio mundo!

@revistamoderna todos os direitos reservados

Open chat