17Nov, 2020
0
Criar filhos não é uma tarefa fácil e como pais nos sentimos envolvidos em um compromisso de ensinar. Ensinar o que é certo e errado, ensinar a ser educado com…

Educação dos filhos: uma experiência de conexão

Criar filhos não é uma tarefa fácil e como pais nos sentimos envolvidos em um compromisso de ensinar. Ensinar o que é certo e errado, ensinar a ser educado com as pessoas, ensinar a cuidar de si e de seus pertences, ensinar a cozinhar, ensinar a administrar seu dinheiro, ensinar a sempre acertar. Ufa! São muitos ensinamentos. Isso porque nem comecei pelo princípio – ensinar a usar a privada, ensinar a comer de talher, ensinar higiene pessoal -, e poderia passar todo esse texto elencando os muitos ensinamentos que nós pais nos sentimos no dever de transmitir aos nossos filhos.

 

É sim nossa “tarefa” como pais proporcionar tais experiências de aprendizagem, mas muitas vezes nos aprisionamos nisso: no dever. Quando nos aprisionamos no dever, deixamos de experienciar momentos de conexão conosco e com as crianças. Esses deveres estão tão engessados e enraizados que muitas vezes agimos inconscientemente, somente seguindo o fluxo. Vamos vivendo, ensinando, cumprindo deveres e pouco refletimos sobre a importância da conexão.

 

Quando falo de conexão me refiro a experiências mais conscientes, intencionais. Se eu te fizer a seguinte pergunta: Qual sua intenção com seu filho? O que você espera transmitir para o seu filho como mãe/pai e o que espera para o futuro dele?

 

Posso adivinhar que muitas respostas colocarão coisas do tipo: minha intenção é transmitir confiança; espero que meu filho seja feliz e realizado, espero que ele ame e seja amado; espero que tenhamos uma relação próxima. Muitas podem ser as respostas, mas poucas estarão conectadas a “deveres”, mas sim a experiências de afeto, felicidade, realização.

 

Ao refletir sobre sua intenção, te convido a fazer um segundo passo: refletir se sua relação com seu filho realmente está conectada com suas intenções e desejos. Percebendo que suas intenções não estão conectadas com suas ações, se faz necessário compreender a necessidade de mudanças de direção. E isso pode exigir que você se conecte mais, ou seja, esteja mais consciente em suas ações, que conecte suas intenções aos seus comportamentos.

 

Os “deveres” são importantes, mas não mais importantes que o afeto, que o exemplo, que o apoio emocional, que a harmonia familiar, que a confiança na relação parental. Essas vivências tornam os ensinamentos mais naturais e menos pesados. Quanto aprendizado nossos filhos podem ter quando proporcionamos experiências de união familiar, quando damos exemplo de empatia, de ajuda ao próximo. Quantos ensinamentos passamos quando temos uma relação familiar pautada no diálogo, quando sabemos a hora de dizer ‘não’, quando sabemos a hora de dizer ‘sim’.

 

Não deixe que os “deveres” ocupem todo o espaço na sua relação familiar. Viva mais, experiencie mais, sorria mais, abrace mais, sinta e perceba as emoções do seu filho, coloque limites com afeto e respeito, encoraje seu filho e sinta-se encorajada(o) a ser uma mãe e um pai mais consciente.

 

Patrícia Nascimento Silva

Psicóloga (CRP 06/109535), Mestre em Psicologia, Educadora Parental em Parentalidade Consciente, Mãe de duas princesas. Ajudo mães a desenvolverem uma maternagem mais segura e confiante, criando filhos fortes e emocionalmente inteligentes.

Instagram: @patriciasilva.psi

Contato: (11) 98444-6480

Deixe uma resposta

@revistamoderna todos os direitos reservados

Open chat